The Day

A Grande Guerra, como viria a ser conhecida até ter acontecido a segunda, começou há 100 anos (se bem que na prática tenha começado realmente a 28 de Junho com o assassinato do Francisco Fernando). Para mim é dos temas históricos mais interessantes, como aquilo começou de modo tão patético. Já aqui expliquei as minhas dúvidas perante a confusão do que aconteceu.

[…] o Francisco Fernando, herdeiro do trono do império Austro-Húngaro é assassinado na Bósnia por um separatista juguslavo (logo aqui 3 países à mistura, que confusão) e por isso começa um conflito que arrasta toda a Europa e mais outros quantos para uma guerra de 4 anos?!

Entretanto já li mais sobre o assunto e já percebo melhor como a coisa se deu, há o excepcional The Sleepwalkers: How Europe Went to War in 1914, e o que estou a ler agora, Dreadnought: Britain, Germany and the Coming of the Great War que explicam o que aconteceu. Gosto especialmente do titulo do primeiro, porque concordo que tenha sido assim que as grandes potencias europeias tenham sido arrastadas para a guerra, inadvertidamente, sorrateiramente, inevitavelmente.

Existe um poema dum porteiro dos caminhos de ferro ingleses em Bath, Henry Chappell, escrito nos primeiros dias da guerra e dedicado ao imperador alemão Guilherme II. Como quase tudo que tem a ver com  esta guerra, é bastante comovente:

The Day
YOU boasted the Day, and you toasted the Day,
And now the Day has come.
Blasphemer, braggart and coward all,
Little you reck of the numbing ball,
The blasting shell, or the “white arm’s” fall,
As they speed poor humans home.

You spied for the Day, you lied for the Day,
And woke the Day’s red spleen.
Monster, who asked God’s aid Divine,
Then strewed His seas with the ghastly mine;
Not all the waters of the Rhine
Can wash thy foul hands clean.

You dreamed for the Day, you schemed for the Day;
Watch how the Day will go,
Slayer of age and youth and prime,
(Defenceless slain for never a crime),
Thou art steeped in blood as a hog in slime,
False friend and cowardly foe.

You have sown for the Day, you have grown for the Day;
Yours is the harvest red.
Can you hear the groans and the awful cries?
Can you see the heap of slain that lies,
And sightless turned to the flame-split skies
The glassy eyes of the dead?

You have wronged for the Day, you have longed for the Day
That lit the awful flame.
‘Tis nothing to you that hill and plain
Yield sheaves of dead men amid the grain;
That widows mourn for their loved ones slain,
And mothers curse thy name.

But after the Day there’s a price to pay
For the sleepers under the sod,
And He you have mocked for many a day —
Listen, and hear what He has to say:
“VENGEANCE IS MINE, I WILL REPAY.”
What can you say to God?

Consta que chegou aos olhos do Kaiser e ele ficou um pouco irritado. Coitado.

Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s